www.BairrodasLaranjeiras.com.br
ANUNCIE AQUI  |  INFORMATIVO  |  CONTATO

HOME Notícias semanais

CULTURA E TURISMO

ENDEREÇOS NO BAIRRO
Atividades físicas
Bares e Restaurantes
Cafés, Lanches e Sucos
Comércio e Serviços
Estabelecim/ de Ensino
Hospitais e Clínicas

FESTAS E EVENTOS

MATÉRIAS E NOTÍCIAS

MURAL DO BAIRRO

TRABALHOS SOCIAIS E
ASSOCIAÇÕES


UTILIDADE PÚBLICA

VARIEDADES
Anuncie no Bairro
Contato do Bairro
Blog do Bairro
Detalhes do Bairro
Fotos do Bairro
Informativo do Bairro
Twitter do Bairro



AMAL

Capa da Folha
Onde encontrar
Expediente



MACRO E MICRO

Gilson Nazareth
Mestre em Educação IESAE - FGV
Doutor em Comunicação e Cultura ECO - UFRJ


Cursos de desenho em Laranjeiras
Há 20 anos, então uma jovem recém casada, Flora Soleto, começou a construir efetivamente, o que, antes, fora somente um sonho: UM CURSO DE DESENHO PARA JOVENS E IDOSOS....




Conselho Escola Comunidade não funciona como deveria

Mariana Tavares

Nereide Barros e as netas alunas da Escola Anne Frank: nenhuma delas conhece o CEC. Foto Mariana TavaresCaso você não conheça e nem tenha ouvido falar do Conselho Escola Comunidade (CEC), não se assuste. Certamente você não é o primeiro a desconhecer este órgão criado pela Secretaria Municipal de Educação e que deveria ajudar no desenvolvimento, manutenção e acompanhamento do orçamento das escolas municipais cariocas. Os pais de alunos matriculados na rede pública de ensino, quando questionados pela reportagem do jornal Folha da Laranjeira, também não souberam dizer o que era e para que servia o CEC. Em Laranjeiras, nem mesmo a Associação de Moradores e Amigos de Laranjeiras (AMAL) possui um representante nas escolas do bairro, já que as escolas não se comunicam.

Kelly Martins, mãe de dois alunos da Escola Municipal Anne Frank é uma das muitas pessoas que não sabem para que serve o Conselho. “Eu não sei o que é isso. É o quê?” Sua filha Camila, de 11 anos, também não sabe. “Eu nunca ouvi falar aqui na escola”.

Segundo a diretora da Anne Frank, Neuza Duarte Rodrigues, o conselho tem funcionado corretamente.

- Os gastos são previstos com o CEC, grêmio da escola e com os alunos representantes. No mural da escola, há o relatório de prestação de contas, com todos os gastos.

Ao ser questionada sobre a participação do representante da Amal no conselho da escola, a diretora se esquivou.

- Não tem representante de Associação de Moradores. Eles vieram, disseram que voltariam, mas não voltaram.

Gilson Nazaré, diretor da Amal, contraria Neuza.

- Não é verdade. Nós nunca fomos à escola Anne Frank e eles nunca nos procuraram.

Algumas pessoas confundem o Conselho com reunião de pais. Nereide de Barros tem duas netas que estudam na Anne Frank e também não sabia da existência do CEC.

- Eu sei que tem reunião de pais na escola que falam sobre o desempenho dos alunos, mas não sei de reuniões de prestação de contas.

“Voto de silêncio”

O diretor da Associação, Gilson Nazareth, participou há alguns anos do CEC da Escola Municipal José de Alencar, porém, com a mudança na direção da escola, a Amal deixou de fazer parte do Conselho.

- Participei do CEC na época em que a diretora era a Lílian Leão. Depois que ela deixou o cargo, procurei a escola, deixei meu cartão, mas não fui chamado até hoje.

De acordo com a diretora da escola, o CEC funciona corretamente, mas nenhuma informação pode ser dada, sem a autorização da Coordenadoria Regional de Educação (CRE). A Folha da Laranjeira tentou entrevistar a Coordenadora do CRE, Maria Inez e a Secretária Municipal de Educação, Sônia Mograbi, mas até o fechamento não obteve resposta de suas respectivas assessorias.

Outra que seguiu a “lei do silêncio” foi a diretora da escola Senador Corrêa, Fernanda Cerqueira, que apenas disse que “é opcional para o Conselho ter um representante da Amal.”

O presidente da Amal discorda. Segundo Marcus Vinícius, “está na resolução que a Amal tem o direito de participar do CEC e cabe à escola nos procurar para que isso se realize, já que está na resolução que a diretora é a presidente do Conselho”.

Gilson Nazaré assegurou ter ido à escola logo que ela foi reaberta, em 2003 e deixado seu cartão para contato, novamente sem sucesso. “Até hoje não entraram em contato com a Amal.” Alguns pais de alunos que não quiseram se identificar e os próprios alunos da escola não sabiam o que era e nem para que servia o Conselho.

“Despreparo”

Na Escola Municipal Albert Schweitzer, ninguém tinha autorização para falar sobre o CEC, a não ser a diretora Luci Rafael. A professora de Educação Física da escola, Cláudia Leite, explicou como o CEC funciona.

- Há a participação dos pais, funcionários de apoio, professores e alunos.

Mesmo sem ter comparecido a nenhuma reunião do Conselho, a professora afirma que o CEC é bem atuante.

Apesar dos pais dos alunos não conhecerem o CEC, a diretora da escola garante que ele é divulgado e funciona bem.

- O CEC é divulgado na época das eleições e nas reuniões escolares, além de ter destaque nos conselhos de classe. Além disso, nas reuniões fazemos todo o planejamento do uso das verbas em conjunto com o Conselho - diz Luci.

Quando questionada sobre a participação de um representante da Amal ela justifica dizendo que a associação não mandou nenhum representante, sendo que na realidade era a direção quem deveria convocar os representantes.

  
A diretora da Escola Albert Schweitzer Luci Rafael (E) diz que o CEC funciona. Já o presidente da Amal Marcus Vinicius (D) questiona a forma como ele vem sendo conduzido


Amal quer participação ativa nos CEC’s


O fato de não haver nenhum representante da Associação de Moradores participando dos CECs das escolas públicas de Laranjeiras preocupa muito o presidente da Amal.

- Os CECs não estão funcionando corretamente e nós temos direito a ter uma participação mais efetiva – diz Marcus.

O diretor da Amal sugere uma maior fiscalização por parte da Secretaria de Educação e da CRE.

- Seria bom que a CRE verificasse as atas das escolas, porque se tiver alguém assinando em nome da Amal, nós desconhecemos. Se houver assinatura, não tem a nossa autorização. Queremos que os Conselhos funcionem devidamente, discutam, fiscalizem. Queremos exercer o nosso direito de cidadão – conclui.

-----------------------------------------------------------------------

Como deveria funcionar o CEC


O Conselho Escola Comunidade surgiu em 1984, através da resolução SME nº 212 da Secretaria Municipal de Educação. Ele tem como objetivo “valorizar a representatividade para uma educação cidadã, fazer da escola um espaço legítimo para a reflexão e discussão da sociedade e fazer do CEC elo integrador entre escola, família e comunidade”. Ele deve ser composto pelo diretor da escola, dois responsáveis por alunos, três professores ou especialistas da educação, dois alunos, um funcionário ligado à educação e um representante da associação de moradores, que integrariam o CEC através de eleições feitas a cada dois anos. Os componentes do CEC não recebem nenhuma remuneração, porém o projeto recebe recursos da prefeitura, através do SDP (Sistema Descentralizado de Pagamento) e do PDDE (Programa Dinheiro Direto nas Escolas), que é do governo federal. Essa verba deve ser utilizada em benefício do aluno e o Conselho deve prestar contas de como esse dinheiro está sendo usado. Os representantes CEC devem se reunir para elaborarem propostas e apresentá-las ao diretor da escola. Uma vez que isso é feito, deve ser feita uma reunião com o diretor para discutí-las. O papel do CEC vai desde a organização de turmas até a participação na elaboração e desenvolvimento do projeto político-pedagógico da escola.

-----------------------------------------------------------------------




PATROCINADORES
Clique e saiba mais sobre eles












REDES SOCIAIS








FOTOS DO BAIRRO



Clique na foto...





© 2005 - 2019 Isabel Vidal
Todos os direitos reservados



Jornal da AMAL
ano 27 - nº 218
maio/07